2 de mai de 2010

Circo Estaner




CIRCO ESTANER, UM GRANDE PERQUENO CIRCO
Por: FLAVIA BOMFIM

Entre novembro de 2005 e janeiro de 2006, entre Capim Grosso e Senhor do Bomfim, passando pelas cidades de Ponto Novo e Filadélfia, a fotógrafa Flávia Bomfim acompanhou e fotografou o cotidiano do Circo Estaner, no picadeiro e fora dele.
A relação que começa como espectadora, com o tempo vai se transformando em algo mais próximo, e assim a fotógrafa pôde participar do dia a dia dessa família circense registrando momentos que representam a rotina de uma pequena trupe circense, composta majoritariamente por membros de uma mesma família.

A idéia de construir uma narrativa sobre a realidade do circo no interior da Bahia foi provocada pela simplicidade e pela graça desse circo, pelas histórias dos lugares por onde passaram, que marcam o cotidiano de quem faz e mantém viva essa arte milenar. No entanto ao lado da graça, as imagens mostram também a precariedade e a dificuldade dos pequenos circos que ainda vagam e resistem pelo interior da Bahia e do Brasil.

A magia e a realidade do circo será mostrada através de 26 imagens coloridas, ampliadas a partir de negativos.  Acompanhando o lançamento da exposição será apresentado um pequeno livro com as fotografias que integram o trabalho. Essa exposição é o fragmento de um projeto em andamento, que objetiva mostrar e discutir de forma mais ampla a situação dos pequenos circos famílias.
A exposição “Circo Estaner, um pequeno grande circo”, é a primeira exposição fotográfica de Flávia Bomfim. Resultado da itinerância com o Circo Estaner por essas cidades do sertão baiano, Flávia nos mostra que além de todo modismo da arte circense nas capitais, ao contrário de toda a visibilidade dos grandes e poucos Circos, e seus espetáculos grandiosos, a genuína e simples arte circense, essa que marcou a vida de muitas gerações mundo afora, persiste, mas sobretudo, reclama atenção e apoio. Assim, o trabalho fotográfico de Flávia Bomfim reúne e sintetiza o papel da arte de fotografar, comunicando e propondo algo diferente, ou seja, resgatar a atenção do olhar para aquilo que é parte da nossa história e que não deve sucumbir.


Contato: (71) 92293976
              (71) 3611-6953 (71)3116-8112

Nenhum comentário:

Postar um comentário