28 de mar de 2010

memória da pele







Catar coisas inúteis garante a soberania do Ser.
Garante a soberania de Ser mais do que Ter.


Manoel de Barros

26 de mar de 2010

a linha vermelha de capim grosso


 




Os jovens aqui da associação em que estou dando aulas de fotografia estão reconhecendo os mestres da cultura popular, vão lá nos cantos, nos fins de ruas, na memória esquecida reaviva-los. Em um desses passeios encontraram essa artesã e esse trabalho incrível.

A imagem do tempo...

23 de mar de 2010

vacas, bolas e flores








Alguns tecidos escolhidos  para serem misturados nas saias

16 de mar de 2010

capim grosso em poesia


 




Desde alguns dias em Capim Grosso... lugar e não lugar. Encruzilhada semi-árida. O toco do osso. A simplicidade e a vaidade. A dor da secura aninhada pelo evangelismo...as ilusões de quem quer ser crente que tudo pode ser diferente.

Para alguns jovens de um "ponto de cultura" venho dar um curso de fotografia....literatura e fotografia.

Olhar e sentir a poesia.....exercício grande.....caminhamos para a organicidade desse olhar.

As bonequinhas são de artesãs que encontrei na feira. Plásticos vestidos de crochê com broches de biscui. São muito apreciadas para lembranças de casamento, batizado, nascimento.... ah, os rituais!

12 de mar de 2010

sobre pulseiras e harmonia








A harmonia oculta vale mais que
a harmonia visível

Heráclito

11 de mar de 2010

borboletas








Borboletas me convidaram a elas.
O privilégio insetal de ser uma borboleta me atraiu.
Por certo eu iria ter uma visão diferente dos homens
e das coisas  (...)

 Manoel de Barros in Ensaios Fotográficos

10 de mar de 2010

sempre






bolsinhas de feltro e pano em processo....
porque todo momento, todo lugar e todas as coisas
podem emanar poesia

8 de mar de 2010

guerreiras zapatistas


  


O trabalho com as linhas das mulheres mexicanas é indiscutivelmente lindo e impressionante. O choque das cores vivas contornando seus símbolos e cosmogonia. À essas mulheres maias que além de prendadas, resistem. Resistem criando outras formas de viver, assim, porque acreditam.

Esse é o detalhe bordado de um lenço,( EXÉRCITO ZAPATISTA DE LIBERTAÇÃO NACIONAL) o mesmo que os maias, que os Zapatistas, amarram no rosto para o confronto e dizer que são todos o mesmo...que somos todos um.

Fotografias: Rogério Ferrari 

5 de mar de 2010

dou um tempo


  

  

 
No clarear do dia vou para o roçado
a capinar.
Até de tarde tiro o meu eito: arranco inços tranqueiras,
joás e bosta de bugiu que não serve nem pra esterco.
Abro a terra e boto as sementes.
Deixo as sementes para a chuva enternecer.
Dou um tempo.
(...)

Manoel de Barros - in Ensaios Fotográficos

1 de mar de 2010

novos sonhos em velha cidade


... sal va dor ...

" mas ahora alienta un rumor de fuga
 en el corazón de toda cosa"

                                           ALEJANDRA PIZARNIK