15 de mai de 2014

o rosto é um mapa - a novela


havíamos encontrado dois eixos: um de significância e outro de subjetivação. 
Eram duas semióticas bastante diferentes, ou mesmo dois extratos.


Mas a significância não existe sem um muro branco sobre o qual inscreve seus signos 
e suas redundâncias. 
A subjetivação não existe sem um buraco negro onde aloja sua consciência, 
sua paixão, suas redundâncias.


Como só existem semióticas mistas ou como os estratos nunca ocorrem sozinhos, 
havendo pelo menos dois, não devemos nos surpreender com a montagem 
de um dispositivo muito especial em seu cruzamento.


não perca os próximos capítulos ....


( trecho do texto Rostidades- Mil Platôs 3 - Gilles Deleuze e Félix Guatarri )

Nenhum comentário:

Postar um comentário